AS AVENTURAS DE TIBICUERA
"Aqui estão as aventuras de Tibicuera, contadas por ele próprio. O herói narra sua fabulosa viagem através do tempo, que começou numa taba tupinambá, antes de 1500, e terminou num arranha-céu de Copacabana em 1942." Assim Erico Verissimo apresenta sua versão da história nacional, publicada em 1937 com o objetivo de fazer frente ao nacionalismo ufanista do Estado Novo. Logo no início, o herói recebe dois presentes do pajé de sua tribo: o apelido Tibicuera, que significa "cemitério" em sua língua, e o segredo da eterna mocidade.
A posse desse segundo regalo lhe permite participar de episódios marcantes da história do Brasil. O índio está no litoral da Bahia quando Cabral aporta, em 1500. Participa da luta contra os franceses e os holandeses no Rio de Janeiro e em Pernambuco, e da defesa do Quilombo dos Palmares. Combate na Revolução Farroupilha e está presente nos eventos da Independência, bem como na agitação que marca a proclamação da República.
Trata-se de uma mistura de fato e ficção que ensina, além de divertir, ao possibilitar que a história se desenrole - conforme diz Tibicuera - como "um romance de aventuras que se passa na Terra e tem como personagem principal a Humanidade".
R$ 37,90
Título original
AVENTURAS DE TIBICUERA, AS
Ilustrador
Rodrigo Rosa
Capista
Raul Loureiro
Páginas
200
Formato
13.50 x 18.50
Lançamento
17/10/2005
ISBN + Código de barras
9788535907049
Autor: Erico Verissimo
CONHEÇA TODOS OS TÍTULOS DE Erico Verissimo
Info
Nasceu em 17 de dezembro de 1905 em Cruz Alta, no interior do Rio Grande do Sul. Trabalhou como bancário, balconista de armazém e farmacêutico até se mudar, aos 25 anos, para Porto Alegre. Na capital gaúcha, foi redator, diagramador e ilustrador da Revista do Globo, onde estreou como escritor com o conto "Ladrões de gado". Ganhou diversos prêmios por sua obra literária, como o Jabuti (1966), o Juca Pato (1967), o do PEN Clube (1972) e o da Fundação Moinho Santista (1973). Tornou-se também um bem-sucedido autor de livros infantis e tradutor de obras importantes, como Contraponto, de Aldous Huxley. Erico Verissimo morreu em 1975, antes de concluir o segundo volume de suas memórias, Solo de clarineta, publicado postumamente.
Capa Capa Capa Capa Capa Capa Capa Capa Capa Capa Capa Capa Capa Capa Capa Capa Capa Capa Capa Capa Capa Capa Capa Capa Capa Capa Capa Capa Capa Capa Capa Capa Capa Capa Capa Capa Capa Capa Capa Capa Capa Capa Capa
Coleção Erico Verissimo (1)
CONHEÇA TODOS OS TÍTULOS DA Coleção Erico Verissimo
Info
bio
Capa
RECOMENDAÇÕES
Rodapé